A morte e a morte de Quincas Berro Dágua

Entre os “castelos” e botequins da Bahia, vive/viveu/vivia Quincas Berro Dágua, vagabundo de muitas mortes. Antes dessa vida boêmia, era Joaquim Soares da Cunha, homem de respeito, de família honrada. Mas a morte de Joaquim é só a primeira das mortes, mais algumas ainda estão por vir, não se faz muito consenso de quantas. Aliás, também não há clareza de hora, local ou frase derradeira.

Jorge Amado é um grande contador de histórias. Traz as absurdices da tradição oral para o papel, costura, amarra, redireciona, tira um detalhe, coloca outro e aquele causo que qualquer autor poderia ter escrito, caso estivesse ali na hora da contação, se transforma em obra inigualável.

O cenário, delicioso. Todos os vagabundos da Bahia em suas festas regadas a álcool. Os personagens cativam, principalmente Quincas e seu carpe diem. Seus amigos encantam pela admiração a figura de Quincas e também por suas maluquices inconsequentes.

É leitura rápida e leve, de um ou até dois dias. Rápida, talvez demais: me deixou com vontade de ler mais Jorge Amado. E leve na medida certa, aquele tipo de livro que desenha um sorriso no rosto.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s