Velho mundo versus novo mundo ou só Lolita?

Lolita: primeira e última palavra do romance homônimo de Vladimir Nabokov (1955). O europeu Humbert Humbert, pedófilo, se apaixona de maneira incrivelmente ingênua por Dolores Haze (ou Lô, ou Dolly, ou Lolita), menina norte-americana de doze anos, menos culpada mas também menos ingênua que seu velho “pai”. Lolita impressiona pela estrutura impecável e a deliciosa narrativa intimista em primeira pessoa, além da facetas múltiplas que vai adquirindo conforme os capítulos vão passando: primeiro romance romântico lambuzado, então um filme desses de estrada, até que a paranoia de H. H. transforma tudo em uma história de suspense.

Um traço bem interessante em Humbert é a constante justificação de seus modos. A pedofilia, como ele deixa bem claro logo no começo do livro, só pode ser, pensa ele, consequência de seu amor infantil interrompido, quando sua jovem amante Annabel morreu precocemente. Também constata, em seu fluxo de pensamentos, que Lolita é mais safada do que se esperaria: primeiramente ela o seduz, então usa de seu suposto charme para extorquir dinheiro e depois, nem virgem a menina é. Mas, claro, o livro é em primeira pessoa e várias vezes a parcialidade de Humbert é posta em dúvida, não por más intenções já que ele se sente, e sempre se sentiu, culpado, mas pela intensidade de seus sentimentos.

O sentido mais literal do livro é muito bom, sim. Mas, nesses últimos dias, reli a obra com outras ideias na cabeça, mais especificamente a ideia de corrosão do Novo Mundo, as Américas, no caso, EUA, pelo Velho Mundo, a Europa (ou também o contrário, as duas visões são possíveis e, para mim, até complementares). Pensando assim, o jogo novo versus velho teria tudo a ver com o tema de pedofilia. Ambos, Humbert e Dolores, já tem seus desvios morais mesmo antes de se conhecerem, mas os resultados após seus anos juntos seriam irremediáveis para ambos: o adulto tirou da criança sua luz e alegria de vida, e ela, por sua vez, o devastou completamente, o levou a ruína pelo amor que H. sentia.

Em uma nota adicional, após ter lido o original, reli em versão traduzida por Jorio Dauster e me impressionei bastante com a qualidade, recomendo. E, para fechar, um parágrafo interessante do próprio Nabokov sobre Lolita e o fato de este não ser um livro erótico e, ao mesmo tempo, não ter lição moral alguma (dois fatores que aparentemente não se combinam na cabeça de certas pessoas):

Presumo que haja leitores que se excitem com o vocabulário chulo daqueles romances enormes e irremediavelmente banais, datilografados por autores medíocres com os polegares mas caracterizados como “vigorosos” ou “intensos” pelos críticos de plantão. Há boas almas que considerarão Lolita irrelevante porque não lhes ensina nada. Não escrevo nem leio obras de ficção com fins didáticos, e, a despeito da afirmação de John Ray, Lolita não traz nenhuma moral a reboque. Para mim, um romance só existe na medida em que me proporciona o que chamarei grosso modo volúpia estética, isto é, um estado de espírito ligado, não sei como nem onde, a outros estados de espírito em que a arte (curiosidade, ternura, bondade, êxtase) constitui a norma. Não há muitos desses livros.

Anúncios

4 respostas em “Velho mundo versus novo mundo ou só Lolita?

  1. Eu li a tradução do Jorio e gostei bastante de todo o desenvolver. Parece até que o Nabokov ficou horas escolhendo palavra por palavra. Quanto à O Castelo, o mesmo esquema de O Processo. Crítica forte à burocracia e muitas, muitas dúvidas a pairar ao fim da leitura.

    • O Kafka escreveu o mesmo livro a vida inteira. Mas gênio é gênio, mesmo que oprimido, suponho eu. E essa tradução do Jorio é tão legal que eu ouvi dizer que já copiaram loucamente (inserir aqui post do Facebook com algum conteúdo no sentido de “isso é Brasil”).

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s