Como funciona a ficção, de James Wood

Só alguém tão entendido de literatura conseguiria escrever um livro desses, falando de Henry James, Flaubert, estilo indireto livre e outros assim, tão leve e descontraído. Aí James Wood ganha muito pontos, conseguindo o que tantos críticos famosos falharam em conseguir. Desculpem o momento frase clichê, mas já dizia Eistein, se a pessoa não sabe explicar algo de maneira simples, ela não o entende suficientemente bem. E tem mais: se Milan Kundera, para dar um belo exemplo, escreve lindamente sobre a arte literária, Wood é menos romancista e mais crítico, prático e objetivo.

Como funciona a ficção é divido em capítulos que tratam da narrativa, dos detalhes, dos personagens, da linguagem, do diálogo, do realismo, além de dois capítulos dedicados a Flaubert (um sobre a narrativa moderna, que Wood considera derivada de Flaubert, e outro sobre o surgimento do flâneur, no qual o personagem vai andando pelas ruas e observando). Em cada capítulo, o crítico vai dando exemplos e destrinchando alguns trechos, partindo do particular para chegar a uma reflexão mais geral de tal ocorrência na literatura.

Ao decorrer do livro, Wood fala muito sobre o estilo indireto livre (além de uma overdose de Flaubert, é claro). Nesse estilo, a narrativa, em terceira pessoa, mescla as vozes do autor e do personagem, às vezes pendendo mais para um lado, às vezes para o outro. O autor transcreve uma passagem (maravilhosa) de What Maisie knew, de Henry James, e por cinco páginas discorre sobre as palavras muito bem escolhidas. Por exemplo, na passagem “tucked-in and kissed-for-good-night feeling”, James, modestamente, deixa seu próprio requinte literário de lado para dar voz à pequena Maisie. Ou como no conto Os Mortos, de Joyce, que começa assim: “Lily, a filha do zelador, estava literalmente com o coração na boca”. Mas é impossível ter o coração literalmente na boca, e pensa-se que Joyce era inteligente o suficiente para não falar tal bobeira. Mas Joyce escolhe por dar voz à Lily, que provavelmente usaria uma frase desse tipo para contar o caso para as amigas.

Interessante também a visão que Wood tem sobre os detalhes. O crítico Roland Barthes, em seu ensaio O Efeito de Real, argumenta que o detalhe “irrelevante” (quem colocou as aspas foi James Wood) está ali para causar um efeito de realismo descritivo, mas que na verdade nada tem a ver com o real. Barthes dá o exemplo de um trecho de Um Coração Simples, de Flaubert, onde é descrito o quarto da srta. Aubain. Vários objetos estavam no quarto, cadeiras de mogno, caixas e cartões, um piano, um barômetro. Segundo Barthes, todos os objetos citados tem seu papel na narrativa (mostrar condição social, estilo de vida, sugerir a desordem do personagem) – menos um: o barômetro. Ele está ali só por estar. É como se Flaubert dissesse “viu só como minha narrativa é real? nela encontra-se o que conta a história e também o que, como na vida, só estava ali por cima no momento”. Mas será que Barthes não peca ao chamar esse tipo de detalhe irrelevante? Não seria todo detalhe intrinsecamente ligado à narrativa, e portanto relevante? Carol Bensimon, nos Cadernos de Não Ficção 2 da Não Editora, diz que “atendo-se ao supostamente essencial, me causa a impressão de que as coisas estão passando mais rápido do que deveriam”, e que, quando os supostos “excessos” são cortados de um texto, os personagens viram “meros executores de ações que precisam acontecer uma depois da outra rumo ao desfecho”.

Sobre personagens, Wood discorda fortemente de Forster, que em Aspectos do romance, classifica os personagens como planos ou redondos. Classificação essa amplamente utilizada em críticas e resenhas por aí. O autor sugere, brilhantemente, a classificação dos personagens em transparências (personagens relativamente simples) e opacidades (relativos graus de mistério).

Agora, devo alertar: se você for optar por ler a tradução para o português, leia antes esses comentários da tradutora Denise Bottmann. Como funciona a ficção é para os escritores e para os leitores, também. Não é um guia, mas seu fator direto-ao-ponto é interessante – e verdadeiro, sem firulas.

Anúncios

8 respostas em “Como funciona a ficção, de James Wood

  1. Olá. Belo texto. Eu deixei minhas impressões (bem pessoais, até dando conta da parte física da edição) no meu blog (http://catalisecritica.wordpress.com/2011/05/02/como-funciona-a-ficcao-james-wood/). Gostei demais do estilo de James Wood. A análise do discurso indireto me motivou a antecipar a leitura de Flaubert, que eu tanto adiava. E não me arrependi. Outra coisa interessante no livro é a noção da frase que não poderia ter sido escrito de maneira melhor, e aí ele ilustra com aquela metáfora de Tolstoi em Anna Karenina, do bebê que era tão fofo que parecia que tinha os braços amarrados por uma linha. E realmente, se você parar para pensar, existe jeito melhor de descrever a fofura de um bebê? Observando minha filha mais nova depois de ter lido isso (à época, com uns seis meses, no auge da fofura), cheguei à conclusão de que não, não é possível.

    Como funciona a ficção funciona (trocadilho inevitável…) do começo ao fim. É um livro que todo apaixonado pela literatura deveria ler, para o seu próprio bem.

  2. Pingback: Página não encontrada | Apesar da Linguagem

  3. Pingback: O Velho e o Mar, de Ernest Hemingway | Apesar da Linguagem

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s